Magazzine

A pluralidade de ser mãe

04 Mai

O que é ser mãe? Para tentar responder essa pergunta, conversamos com nossas colaboradoras e influencers sobre o significado do papel em 2021 e todos os seus desafios

Como definir a maternidade? Em que momento que se torna mãe? É no teste positivo de farmácia, no parto, no ato de adoção? De acordo com a definição do dicionário, mãe é a mulher que deu à luz um ou mais filhos e os cria. São tantas particularidades sobre o processo de ser mãe que é difícil estabelecer um único sentido. Aqui no ZZ MALL, acreditamos que a maternidade é plural e, por isso, conversamos com três mulheres que também são mães do time ZZ MALL e duas representantes do ZZ Influencer para trazer algumas visões sobre o que significa exercer esse papel em 2021 - e ainda em meio a uma pandemia global. Confira os depoimentos. 

“Ser mãe é o desafio de aceitar que ser perfeita não é o caminho.” - Êrika, mãe da Aurora 

Êrika Thalheimer Neske, 25, é assistente de marketing do ZZ MALL e mãe da pequena Aurora, de dois anos. Casada com o pai da menina, conta que eles dividem as tarefas e que teve a ajuda de uma rede de apoio quando a Aurora era menor. Êrika fala que a maternidade não deve ser romantizada e defende que a escolha seja inteiramente da mulher. “A mãe será a pessoa responsável integralmente, independente de apoio”, ressalta. 



Sobre a maternidade em meio a uma pandemia, relata que o contexto traz algumas adversidades, mas que aproveita para curtir o dia a dia com a Aurora. “Na maioria das vezes é bem agitado, pode ser difícil de se concentrar, mas diferente de tempos ‘normais’, consigo passar mais tempo com ela, o que torna tudo mais fácil”. Para Êrika, ser mãe é entender a própria humanidade: “é um grande desafio diário. Desafio de abrir mão de uma parte que quer ser mulher, se cuidar, ser dedicada profissionalmente. Desafio de aprender a lidar com uma pessoinha que muda a cada semana. Desafio de aceitar que ser perfeita não é o caminho”. 

“É viver dias lindos e cheios de adrenalina, mas com a certeza de que já conheceu o amor mais verdadeiro e puro que existe.” - Priscila, mãe do Théo e do Otto 

Priscila Baum, 33, é mãe solo de Théo, oito anos, e de Otto, que teria cerca de dois anos e meio agora. O pequeno faleceu poucos meses antes do início da pandemia e Priscila precisou enfrentar a dor da perda junto de todas as dificuldades do contexto. “Tive que me reinventar dentro de casa, em um ambiente cheio de histórias lindas e de saudade, foi bem desafiador. Mas eu tenho um filho mais velho que é um verdadeiro parceiro de vida, que topa invenções e brincadeiras para nos divertirmos”. 


A analista de marketing do ZZ MALL relata que mora sozinha com Théo há seis anos e que eles são muito unidos: “cozinhamos juntos, olhamos séries, jogamos videogame, pedalamos”. Ela também fala que possui uma forte rede de apoio e que valoriza muito cada um dos momentos dos dois. “Ser mãe na pandemia é tão desafiador quanto gratificante, pois nos faz olhar para os pequenos detalhes e dar um imenso valor a eles”. 


Para ela, ser mãe é um misto de amor, responsabilidade e dor. “É se descobrir uma pessoa muito melhor, colocar-se em desafios diários e querer evoluir e ser exemplo para seus filhos. É cuidar ao extremo, mas ao mesmo tempo dar liberdade e autonomia. É ensinar que a gente aprende muito em todas as situações da vida. É viver dias lindos e cheios de adrenalina, mas com a certeza de que já conheceu o amor mais verdadeiro e puro que existe”. 


 

“O amor que sentimos por quem trazemos ao mundo é algo que não tem explicação.” - Paula, mãe da Nina e do Davi 

Paula Kubrusly, 37, mora em Campinas, é consultora de imagem e estilo e integrante do time de ZZ Influencer. Ela é mãe da Nina, de cinco anos, e do Davi, de pouco mais de um mês. Paula, que engravidou durante a pandemia e deu à luz recentemente, conta que tem vivido dias intensos com a chegada de Davi, mas que se sente ainda mais segura agora com o segundo filho e que o puerpério está sendo mais leve.  


Entre os maiores aprendizados da maternidade, cita o desafio de equilibrar os diferentes papéis que exerce na vida e também de abdicar de um tempo para si para estar completamente presente na vida dos filhos. “A liberdade que temos antes passa a existir de forma escassa. No começo, é um tanto quanto assustador, mas à medida que o convívio com o bebê vai ficando mais próximo, qualquer lembrança do passado já não faz mais sentido”. 

 

Paula acredita que a maternidade é uma verdadeira escola e que ser mãe é transformador e o processo mais intenso (e louco) que uma mulher pode passar na vida. “O amor que sentimos por quem trazemos ao mundo é algo que não tem explicação. O tipo de experiência que é preciso viver na pele para entender o quão profundo é”. 

“Eu achava que já tinha vivido o mais profundo dos amores. Mas aí Deus me fez mãe.” - Stefani, mãe do Mateo 

Stefani Claro, 27, mora em Brasília e é propagandista médica e digital influencer. Também integrante do time de ZZ Influencer, ela é mãe de Mateo, de um ano e um mês, que nasceu no momento em que a pandemia de coronavírus se agravou no país. “Idealizei inúmeras coisas que gostaria de fazer com a chegada dele, mas tudo precisou ser reformulado. Me senti perdida, assustada, ansiosa, sem saber como seria. Precisei encarar a realidade e me doar, ser o melhor que pudesse ser.” 

Além de todos os desafios do cenário, ela conta que a maternidade a ensinou sobre amor próprio. “Antes de me tornar mãe, eu me deparava com a insegurança e me encaixava nos padrões que a sociedade impõe. Mas, ao conhecer o verdadeiro significado do amor incondicional, enxerguei a possibilidade de viver uma história de amor comigo mesma, livre de preconceitos.”  


Stefani também fala que ser mãe a trouxe muito amadurecimento. “Por mais que em um primeiro momento a ideia pudesse assustar, eu nunca duvidei da certeza de que nada melhor aconteceria. Hoje posso dizer que a cada dia me conheço mais e com clareza”. 

“Ser mãe é uma descoberta diária de aprendizados e desafios.” - Larissa, mãe do Henrique e do Eduardo 

Larissa Lovato Hila, 35, é mãe dos meninos Henrique, de 11 anos, e Eduardo, de três. A analista de negócios de ZZ MALL fala que ser mãe é uma grande descoberta. “É um amor incondicional, uma descoberta diária de aprendizados e desafios, é saber que sou muito mais forte do que achava”, ressalta ela que também diz ser a educação dos filhos uma das grandes questões da maternidade: “É medir o equilíbrio entre a rigidez e a liberdade”. 


Com a pandemia de coronavírus, Larissa destaca que o maior desafio tem sido conseguir dar a atenção necessária aos irmãos. “Como eles não interagem com outras pessoas, o foco total é nos pais. Temos que encontrar atividades que os ocupem para que não fiquem entediados e também não permaneçam somente em jogos e vídeos no celular”, relata ela que conta com o marido e a ajuda da sogra. 


você também vai gostar