JUNHO: MÊS DO ORGULHO LGBTQIA+

28 Jun

A importância da data na defesa dos direitos da comunidade e o que foi a Revolta de Stonewall.

Junho é o Mês do Orgulho LGBTQIA+ e conta com eventos e paradas em todo o mundo. O Pride Month foi escolhido em celebração à Revolta de Stonewall, ocorrida em 28 de junho de 1969. Também chamada de rebelião ou levante, foi um marco na luta dos direitos da comunidade LGBTQIA+ e ganhou esse nome graças ao bar Stonewall Inn, em Greenwich Village, Nova York, onde um grupo de frequentadores decidiu se rebelar contra a repressão policial.

Apesar da homossexualidade não ser mais considerada um crime desde 1962 nos Estados Unidos, pessoas que se declarassem abertamente gays eram constantemente atacadas e não existiam quase espaços públicos que pudessem frequentar - e, muito menos, expressar-se. Por esse motivo, Stonewall Inn tornou-se conhecido, já que era o único bar LGBTQIA+ da cidade na época. E no dia 28 daquele mês, os presentes se rebelaram em uma das constantes batidas da polícia no local. O que começou com garrafas e outros objetos sendo lançados nos guardas, deu origem a outras revoltas e manifestações, levando à organização, pela primeira vez, de um movimento social e político da comunidade contra a LGBTQIAfobia. O efeito do Levante de Stonewall se espalhou por várias cidades do país e depois também do mundo. 

A 25ª PARADA DO ORGULHO LGBT NO BRASIL

No mundo todo, são realizadas diversas celebrações em prol da data e no Brasil não poderia ser diferente. A tradicional Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, uma das maiores do planeta e que aconteceu no início deste mês, contou com uma programação totalmente online pelo segundo ano consecutivo devido à pandemia de coronavírus. O tema do evento, “HIV/Aids: Ame + Cuide + Viva +”, foi pensado com o intuito de conscientizar e combater o preconceito acerca da doença e do vírus. Também em 2021 completam 40 anos do primeiro caso de Aids diagnosticado em território brasileiro e, apesar dos grandes avanços no diagnóstico e tratamento, ainda existe um grande estigma em torno da doença. Outra preocupação é o aumento expressivo de casos nos últimos anos, principalmente entre adolescentes e jovens. 

VIOLÊNCIA E LGBTQIAFOBIA

O Brasil é um dos locais mais violentos para a população gay. Apesar da homofobia e da transfobia serem consideradas crimes e o casamento entre pessoas do mesmo sexo estar previsto em lei, os números assustam. O Brasil é o país que mais mata transexuais no mundo de acordo com uma pesquisa de 2020 do Trans Murder Monitoring, mantendo-se no topo do ranking pelo 12º ano consecutivo. Segundo o último Relatório Anual de Mortes Violentas de LGBT+ do Grupo Gay da Bahia (GGB), a cada 36 horas um LGBT+ brasileiro é vítima de homicídio ou suicídio*. Os dados só evidenciam a urgência na proteção da comunidade e na luta contra a LGBTQIAfobia.

ENTREVISTA

Para entender mais sobre o significado e a relevância do Mês do Orgulho LGBTQIA+, conversamos com a jornalista e pesquisadora Fernanda Nascimento, que também é autora do livro “Bicha (Nem Tão) Má: LGBTs em Telenovelas”, resultado da sua dissertação de mestrado, e pós-doutoranda em jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Confira: 

QUAL A IMPORTÂNCIA DE UM MÊS DEDICADO À CAUSA LGBTQIA+?

Fernanda - É uma oportunidade de se falar um pouco mais sobre várias desigualdades e discriminações que acontecem no cotidiano das pessoas LGBTs. São várias as formas de exclusão que precisam ser discutidas com maior aprofundamento: como a vida dessas pessoas é marcada por interdições, o fato de sua expressão de gênero ser sistematicamente inibida, como a sua sexualidade, ainda que não seja há mais de uma década considerada uma doença, muitas vezes continua recebendo rótulos e preceitos de origem religiosa ou biológica com o intuito de inferiorizar essas pessoas. Então, esse mês é importante para que a gente lembre que muitas pessoas continuam enfrentando discriminação todo dia, seja no acesso e permanência nos locais formais de educação, no mercado de trabalho ou ainda na sua experiência de vida.

POR QUE STONEWALL FOI UM MARCO NA LUTA PELOS DIREITOS DA COMUNIDADE?

Fernanda - A Revolta de Stonewall foi protagonizada por pessoas que estavam muito à margem da sociedade em um momento que havia vários tipos de interdições contra pessoas com gênero e sexualidade dissidentes, que não podiam expressar a sua identidade e experiência de vida nas ruas. O movimento é sempre lembrado, porque houve uma revolta contra um sistema, contra uma sociedade, e aí se começou também [...] a reivindicar direitos: o direito de poder ser quem se é, de expressar seu afeto, de andar livremente sem ser considerado um marginal. Por isso, Stonewall é um marco, que deu início a vários movimentos sociais nos Estados Unidos, mas também foi importante para a luta dos LGBTs em outros locais do mundo. No Brasil, vamos ter movimentos mais organizados a partir dos anos 1970 e 1980, porque aqui também havia uma conjuntura de ditadura militar que atuava nas moralidades e reprimia pessoas com gênero e sexualidade dissidentes. Aqui e em cada país, há uma especificidade de como Stonewall impactou, mas realmente foi um evento bastante importante e significativo para a comunidade LGBT.

COMO TRAZER MAIS VISIBILIDADE PARA O ASSUNTO, PARA ALÉM DO MÊS DE JUNHO?

Fernanda - Essa é uma discussão que eu sempre faço junto aos meus alunos de jornalismo de que não podemos ter apenas um calendário para falar com mulheres, pessoas negras ou LGBTs quando se trata da visibilidade de lutas. Precisamos começar a pensar estes problemas como problemas estruturais e incorporar a presença de pessoas diferentes da norma, seja de gênero, sexualidade ou raça, durante todo o nosso processo e construção da reportagem [por exemplo]. Então, precisamos começar a estranhar [...] porque temos sempre as mesmas histórias, que são cisgênero e heterossexuais, porque só se fala da experiência das pessoas LGBTs, mulheres e negros e não de outros componentes que atravessam suas vidas - e nossas vidas não se resumem a isso [...]. É necessário um processo de incorporar essa diferença no nosso cotidiano e esse processo é lento, porque temos uma construção estrutural que coloca esses diferentes à margem. E para mim, é importante que façamos um movimento de pensar na nossa produção, se estamos reiterando essas normas e a exceção ou se estamos tentando produzir um outro mundo, uma forma mais inclusiva mesmo de sociedade.


você também vai gostar